domingo, 1 de dezembro de 2019

Bill Wallace, missionário e mártir



Um cirurgião americano dedicado, amado por quase todos que o conheceram, morreu há pouco mais de sessenta anos - sozinho, em uma cela fria longe de casa.
Ele foi preso na China por falsas acusações, com base em evidências plantadas. Ele foi espancado, ridicularizado, espetado com varas de bambu por guardas da prisão. Levado ao desespero por interrogatórios brutais, ele ficou abalado ao ponto de beirar a insanidade em seus últimos dias, segundo testemunhas presas com ele.
Mas poucos acreditaram na história oficial de que o médico de 43 anos cometera suicídio depois que ele foi encontrado pendurado em uma viga em sua cela, na manhã de 10 de fevereiro de 1951. Um colega que viu seu corpo com poucas evidências de enforcamento - mas muitas marcas de abuso físico.
Ele foi rapidamente enterrado por alguns amigos sob a vigilância de uma escolta armada; nenhum serviço religioso era permitido. Seus restos mortais não foram devolvidos aos Estados Unidos até 1985.
Que injustiça, muitos disseram na época - e nas décadas seguintes. Que tragédia. Que desperdício.
Injustiça, sim. Desperdício? Longe disso.
O missionário batista do sul, Bill Wallace, pode ter sofrido intensamente em suas últimas semanas na Terra, mas há muito tempo estava preparado para isso.
"Volte e cuide do hospital", disse ele aos colegas de trabalho quando foi preso. "Estou pronto para dar a minha vida, se necessário."
Wallace não foi o único missionário estrangeiro martirizado na China durante os tumultuosos anos de invasão japonesa, guerra civil e o início do regime comunista - que encerrou a era missionária. Mas sua história de vida tornou-se tão familiar para os batistas do sul de várias gerações quanto a de Lottie Moon, a heroína missionária que morreu servindo a China várias décadas antes da chegada de Wallace.
Nascido em Knoxville, Tennessee, em 1908, Wallace era filho de um médico e, quando menino, acompanhava o pai nas consultas de pacientes. Aos 17 anos - enquanto trabalhava em um carro na garagem da família - Wallace ouviu o chamado de Deus para missões médicas. Ele respondeu que sim, registrou o compromisso na folha de trás de seu Novo Testamento e nunca mais voltou atrás.
Após a faculdade de medicina e a residência cirúrgica no Hospital Geral de Knoxville, Wallace recusou uma oferta lucrativa para se tornar parceiro de um cirurgião notável. Ele foi nomeado em 1935 como missionário na China pelo Conselho de Missão Estrangeira Batista do Sul - 10 anos após o mês em que assumiu o compromisso de garagem.
Ele foi a Wuchow (agora Wuzhou), no sul da China, onde os missionários do Hospital Stout Memorial, administrado por batistas, oravam desesperadamente por um cirurgião.
Wallace imediatamente ganhou a reputação de ser um homem gentil de poucas palavras, um cirurgião talentoso, um trabalhador incansável - e um servo absolutamente comprometido de Cristo, o médico gentil que Ele emulava. Um colega uma vez avisou que quem procurava Wallace deveria procurar o paciente mais doente do hospital; Wallace estaria lá.
Ele trabalhou nos bombardeios japoneses enquanto as macas dos feridos se alinhavam nos corredores - uma vez terminando uma operação depois que o hospital fora atingido diretamente. Depois de sua primeira licença em casa, ele voltou em 1940 para uma China em chamas, mas se recusou a deixar Wuchow quando os japoneses invasores se aproximaram. Para apelos urgentes de sua fuga de Wuchow, ele respondeu: "Ficarei enquanto puder servir."
O médico missionário Robert Beddoe escreveu sobre um episódio angustiante:
"No momento do segundo bombardeio severo do hospital, havia um paciente desesperadamente doente no último andar. Ele não podia ser movido sem quase uma morte certa. Wallace ficou ao lado da cama, confortando e tranquilizando o paciente. Uma bomba atingiu a menos de 15 metros da cama, rasgando um buraco no teto de concreto. Na providência de Deus, nem o paciente nem Wallace ficaram feridos. Um dos funcionários, que estava quatro andares abaixo na época, me disse que havia sido levantado várias polegadas pela concussão".
Finalmente, em uma das grandes façanhas da história das missões na China, Wallace evacuou todo o hospital em 1944, apenas alguns dias à frente das forças japonesas - transportando pacientes, funcionários e equipamentos de barco centenas de quilômetros rio acima. Lá eles cuidavam dos doentes e do sofrimento da região circundante até que os japoneses que avançavam os forçaram a se mudar novamente.
Wallace e seu grupo de médicos enfrentaram dificuldades incríveis, mas voltaram a Wuchow em 1945, quando a maré da guerra mudou. Sua descrição do retorno em uma carta para sua irmã foi caracteristicamente breve:
"Querida irmã: Wuchow. Amor, Bill"
Wallace reparou o hospital Stout gravemente danificado e voltou ao trabalho. Ele quase morreu de febre tifóide em 1948. Depois de se recuperar, continuou trabalhando em Wuchow após a derrota comunista dos chineses nacionalistas em 1949 - ganhando até o respeito relutante dos soldados comunistas enquanto tratava suas feridas.
Mas os missionários não eram mais bem-vindos na China, e o início da Guerra da Coréia, em 1950, desencadeou uma intensa campanha de propaganda antiamericana. A prisão de Wallace ocorreu em dezembro daquele ano, depois que as autoridades locais "encontraram" uma arma debaixo do colchão durante uma busca e o acusaram de ser um espião. Ele morreu na prisão menos de dois meses depois.
Mas não foi sua morte solitária que definiu o heroísmo de Wallace. Foi a sua vida cheia de amor.
Sim, Bill Wallace "era um mártir", reconheceu a falecida Everley Hayes, a enfermeira missionária que trabalhou com ele nos últimos anos e identificou seu corpo.
"Muitos pensam nos mártires como aquelas pessoas de rosto distante. Mas eu conhecia um Dr. Wallace que estava muito interessado em tudo ao seu redor. Ele era um mártir não porque morreu no serviço, mas porque se identificou tanto com o povo chinês que considerou-se um deles. E eles o amavam. "
Após a prisão de Wallace, um comissário convocou muitos cidadãos de Wuchow para uma reunião pública e exigiu que eles avançassem para denunciar o missionário. Nem uma única pessoa o fez. A única acusação que eles conseguiram fazer, refletiu um missionário católico romano que conhecia Wallace, foi que "ele continuou fazendo o bem".
Atualmente, em um período não-heroico, muitos americanos estão olhando para trás com nova admiração pelo que o jornalista Tom Brokaw chamou de "a maior geração": os homens e mulheres que sofreram a Depressão e depois aterrissaram sob fogo em praias estrangeiras para ajudar a derrotar os nazistas e seus aliados.
Os que sobreviveram chegaram em casa para construir vidas, famílias, uma nação. Reticentes em reviver sua hora de terror e coragem quando tantos morreram, a maioria desses veteranos vivos - quando pressionados - geralmente diz que "fez o que tínhamos que fazer" e deixou por isso mesmo.
Ao lado desses heróis calmos da guerra, considere o calmo Bill Wallace, do Tennessee, um homem de paz que deu sua última medida completa de devoção para curar corpos e almas em um canto isolado da China. Ele não tinha que fazer o que fez. Ele fez isso porque queria. Os amigos chineses em Wuchow o compreenderam, quando se arriscavam a ser punidos por colocar um monumento em sua sepultura, marcada com estas palavras do apóstolo Paulo: "Para mim, o viver é Cristo".
Os chineses já haviam ouvido sermões antes, mas "em Bill Wallace começaram a ver um, e isso fez a diferença", escreveu o historiador de missões Jesse Fletcher.
Numa era de hype, o personagem fala infinitamente mais alto que as palavras. Dever, compromisso, compaixão, humildade, coragem, obediência a Deus: se você estiver procurando maneiras de compartilhar essas qualidades com seus filhos, dê-lhes uma cópia da biografia clássica de Fletcher, "Bill Wallace da China" (Broadman & Holman; no Brasil, temos o livro Fiel Até a Morte, publicado pela UFMBB, e Combati o Bom Combate: A vida de Bill Wallace na China, da Jupec. Então ore pelos Bill Wallaces que Deus está levantando nesta geração.
Seu filho ou filha pode ser um deles.

Traduzido de Baptist Press por Veredas Missionárias.


sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Deus Não Se Envergonha Deles - Histórias de povos (brasileiros) amados por Deus


Escrito pelo missionário, missiólogo e linguista Isaac Costa de Souza, o livro Deus Não se Envergonha Deles (Triggus Editorial, 224 p.) é uma coletânea de nada menos que 77 relatos curtos, todos de grande edificação, sobre o contato de diversos povos indígenas brasileiros com a riqueza do Evangelho. Do acontecimento singelo e inocente ao de tons os mais dramáticos, conhecemos histórias de indivíduos tocados, muitos deles miraculosamente, pela mensagem e pela figura de Cristo. 
Acostumados que alguns de nós estamos a ler relatos de mesmo teor sobre a conversão e as maravilhas acontecendo entre povos distantes, em geral africanos ou asiáticos, é com grande oportunidade que esse livro vem trazer essa comunicação da ação maravilhosa de Deus para perto de nós, desnudando um pouco das transformações salvíficas que o conhecimento de Cristo vai provocando, de tribo em tribo. Sua leitura pode e deve servir de incentivo para o despertar de novos missionários e novas ações missionárias partindo de nossas igrejas brasileiras em direção aos muitos povos ainda não alcançados em nosso território.
A simplicidade e o impacto dos textos (muitos deles contam com ilustrações) colaboram também, e talvez esse tenha sido um de seus propósitos, para a sua utilização na evangelização contextualizada de outros indígenas.

Publicado pela Triggus Editorial, o livro pode ser adquirido no site da editora, ou diretamente com o autor, pelo e-mail: costasouzaisaac@gmail.com

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Vinte esboços missionários - Edino Melo



A SUPREMA TAREFA – MT 28.18-20
Thomas Cosmades disse: “A evangelização não é uma atividade para as horas vagas”.
1. Evangelizar é a suprema tarefa por ser a suprema comissão (v. 18);
2. Evangelizar é a suprema tarefa por possuir o supremo desafio (v. 19);
3. Evangelizar é a suprema tarefa por contar com o poder supremo (v. 20).


PESSOAS PARA QUEM PREGAMOS O EVANGELHO – JO 6.2-36
Guilherme Kerr disse: “Pregar bem não é simplesmente agradar, é instruir, é iluminar a vida em todos os seus aspectos, do mais grave ao mais trivial, é alimentar o rebanho”. Existem quatro tipos de pessoas para quem pregamos:
1. Curiosas (v. 2);
2. Famintas (v. 5);
3. Admiradoras de Jesus (v. 14);
4. Descrentes da Palavra (v. 36).


COMO GANHAR UMA MULTIDÃO PARA JESUS – JO 1.35-42; AT 2.37-41
“A alma do amor é o amor pelas almas”. Elizabeth Fry
1. Procure estar com Jesus na intimidade (vs. 35-39);
2. Comece buscando vidas entre os seus familiares (vs. 40, 41);
3. Concentre-se em ganhar uma pessoa, e ela trará a multidão (At 2.37-42).


A MISSÃO DE TODO CRISTÃO: PROCLAMAR O EVANGELHO – AT 17.15-34
G. Campbell Morgan disse que “A pregação é a proclamação da graça de Deus, sob a autoridade do trono de Deus”. Um mensageiro do céu deve agir de três maneiras:
1. Pregando a todos os homens (v. 17-22);
2. Pregando em todos os lugares (v. 17-22);
3. Pregando em todo o tempo (v. 15-17).


OS PARADOXOS DA FÉ: COMO É FEITA A OBRA DE DEUS – MT 28.16-20
G. H. Knight disse: “Há alguma coisa melhor que entender Deus – é acreditar nEle”. Quais são esses paradoxos?
1. Que um Deus grande use pessoas pequenas (v. 16);
2. Que um Deus perfeito use pessoas imperfeitas (v. 17);
3. Que Deus use pessoas comuns para fazer uma obra incomum (v. 18).


ABENÇOADO PARA ABENÇOAR – PV 22.9,16; 28.8
Através da oferta, “seu dinheiro pode fazer de você um missionário no estrangeiro sem que jamais deixe sua cidade, um evangelista sem nunca subir a um palanque, um pregador-radialista sem nunca ter entrado em um estúdio, um mestre da Bíblia sem nunca ter escrito um livro”. J. Blanchard
1. Quem socorre o pobre, será abençoado (v. 9);
2. Quem se aproveita do pobre, passará necessidade (v. 16);
3. Quem é bondoso com os pobres, prosperará (v. 8).


COMO SER UM PESCADOR DE HOMENS – LC 5.1-11
1. Vá onde os peixes estão (v. 4);
2. Use o equipamento adequado (v. 2, 5, 6);
3. Trabalhe em equipe (v. 7-11).


CHAVES PARA O CRESCIMENTO EXPLOSIVO DA IGREJA – MC 2.1-12
Certa vez, Fred Beck disse: “O túmulo vazio prova o cristianismo, mas uma igreja vazia o nega”. Há três chaves para o seu crescimento explosivo:
1. Ter comunicação de impacto, aliada à mobilização estratégica (v.2);
2. Ter inovação criativa, aliada ao trabalho em equipe (v. 4);
3. Buscar a operação de milagres, aliada à pregação evangelística (v. 11,12).


NOSSA MAIOR MISSÃO – MT 28.18-20
Essas palavras de Billy Graham são tremendas: “A transformação dos homens constitui a missão principal da Igreja, e o único meio de consegui-la é fazer que se convertam a Jesus Cristo”.
O que Deus garante à Sua Igreja?
1. Sua absoluta autoridade (v. 18);
2. Sua intransferível ordem (v. 19);
3. Sua maravilhosa promessa (v. 20).


A IMPORTÂNCIA DA IGREJA – AT 8.6-16
D. A. Chaves disse: “A Igreja procura proclamar a fé cristã por meio da palavra e da ação, pois o cristianismo vem ao mundo como mensagem e como movimento”.
Três importâncias da Igreja:
1. Atrai a atenção (v.6);
2. Há pregação (v.12);
3. Há batismo (v. 12).


SUA PRISÃO SERVE PARA – FP 1.12-30
L. Waldvogel disse: “Os sofrimentos de Jó têm trazido conforto a milhões de pessoas. Os três dias de cegueira de Paulo transformaram um perseguidor no maior dos missionários. O martírio dos santos tornou-se sua coroa de glória.”
A sua prisão serve para que possamos:
1. Evangelizar (v. 12);
2. engrandecer a Cristo (v. 21);
3. Crescer espiritualmente (v. 27).


JOVENS COM UMA MISSÃO – MT 28.17-20
“Cada coração com Cristo é um missionário, e cada coração sem Cristo é um campo missionário”.  Dick Hills
1. A missão de se multiplicar em novos discípulos (v. 18);
2. A missão de transformar os discípulos em novos multiplicadores (v. 18);
3. A missão de alcançar as nações através da multiplicação discipular (v. 18).


JOVENS COM UM CHAMADO CELESTIAL – JR 1.4-8
“Através da história bíblica, vimos que Deus chama: quem quer, quando quer e como quer”. Billy Graham
Sinais do chamado de Deus na vida de um jovem:
1. Um chamado feito por Deus desde o ventre (v. 4,5);
2. Um chamado feito por Deus à consagração (v. 5);
3. Um chamado feito por Deus às nações (v. 5);
4. Um chamado capacitado por Deus (v. 6-8).


ATRAINDO MULTIDÕES PARA JESUS – MT 3.1-12
Como atrair multidões para Jesus, obedecendo ao Seu chamado?
1. João Batista atraía multidões por causa da sua vida (v. 1-4);
2. João Batista atraía multidões por causa da sua obstinação (v. 3, 11);
3. João Batista atraía multidões por causa da sua pregação (v. 5-12).


PROCLAMADORES DA GLÓRIA DE DEUS – SL 96.1-10
John Knox disse: “O mundo ainda está esperando para ver o que Deus faria com um homem que se dedicasse inteiramente ao seu serviço”.
O que Deus espera dos seus chamados?
1. Somos chamados para proclamar a Sua salvação (v. 1,2);
2. Somos chamados para proclamar o Seu esplendor (v. 3,6);
3. Somos chamados para proclamar o Seu poder (v. 3-6, 10).


OS TRAÇOS DE UMA IGREJA MISSIONÁRIA – AT 13.1-3
Gypsy Smith disse: “O que a Igreja precisa é de homens que falem menos e trabalhem mais”. Quais são os traços da Igreja missionária?
1. Uma Igreja marcada pela diversidade dos dons (v. 1);
2. Uma Igreja aberta para o poder do Espírito Santo (v. 2);
3. Uma Igreja reconhecida pela oração perseverante (v. 2);
4. Uma Igreja que planta outras Igrejas pelo envio de missionários (v. 3).


PASSOS PARA A MULTIPLICAÇÃO DE FILHOS NA FÉ – GN 15.1; 17.1; 21-1-3
Paul E. Holdcraft disse: “Mantenha as suas ferramentas prontas. Deus lhe indicará a sua tarefa”. Quais são os passos para a multiplicação?
O primeiro passo para a multiplicação é a visão;
O segundo passo para a multiplicação é a comunicação;
O terceiro passo para a multiplicação é a visitação;
O quarto passo para a multiplicação é a concepção.


A GRANDE COMISSÃO – MT 28.18-20
A Grande Comissão dada por Jesus até que Ele volte (v.16-20), é grandiosa pelas seguintes razões:
1. Possui um grande respaldo: a autoridade de Jesus (v. 18);
2. Foi projeta em cima de uma grande estratégia: o discipulado (v. 19);
3. Consiste numa grande tarefa: fazer discípulos de todos os povos (v. 19);
4. Trata-se de um grande privilégio: aliar-se à Trindade numa obra maravilhosa (v. 19).


A URGÊNCIA DA GRANDE COMISSÃO – MT 28.18-20
1. Carrega uma grande missão, a responsabilidade de transmitir todo o ensino de Jesus (v. 20);
2. Tem uma grande garantia: a presença contínua de Jesus (v. 20);
3. Esconde um grande plano de sabotagem, excepcional: usar gente pequena e imperfeita nas mãos do grande e perfeito Deus (v. 16).


A OBRA DE UMA GRANDE EVANGELISTA – JO 4.1-26; 41,42
“Os melhores homens do Exército da Salvação são as mulheres” William Booth.
1. Uma grande evangelista investe tempo na presença de Jesus (v. 1-26);
2. Empenha-se em dar o seu testemunho em todos os lugares (v. 41);
3. Tem a visão de levar o maior número possível de pessoas a Cristo (v. 42).

Do livro 1003 Ilustrações e Esboços para Sermões (Ed. Transcultural, 2012).

NÃO DEIXEM DE LER TAMBÉM O LIVRO GRATUITO QUE EDITAMOS, "SERMÕES MISSIONÁRIOS", COM CENTENAS DE ESBOÇOS DE DIVERSOS AUTORES, ALÉM DE OUTROS RECURSOS (os sermões desta postagem não constam do livro).


PARA BAIXAR O LIVRO GRATUITAMENTE PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Dedique suas férias para Cristo em 2020 - Missões de curto prazo


Muitos cristãos gostariam de participar mais efetivamente do esforço evangelístico e missionário da igreja, principalmente naqueles locais onde a ajuda é mais escassa e, portanto, necessária. Mas são muitos os impedimentos, e talvez o maior deles seja tempo livre, seguido de recursos financeiros. Apresentamos aqui diversas oportunidades de ação em missões de curto prazo, e também treinamentos, todos a serem realizados no período de férias, entre o fim de 2019 e inícios de 2020. Para além do aqui exposto, agora os irmãos que desejam participar mais ativamente do esforço missionário da igreja de Cristo, tanto no Brasil quanto no exterior, em oportunidades de curto ou longo prazo, podem contar com o serviço Connect, organizado pelo movimento Vocare Brasil, que é ligado à Associação de Missões Transculturais Brasileira. O Connect apresenta dezenas de oportunidades de serviço, em diversas funções e profissões. Acesse a página, conheça as oportunidades, divulgue, participe: https://vocare.org.br/connect/




Inscrições AQUI.



















Grupo Povos e Línguas. Inscreva-se AQUI.


Viagem a São José dos Espinharas - PB.
Maiores informações: http://mais-vidas-no-sertao.webnode.com/


quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Ministério Ecos da Liberdade e seus recursos gratuitos para evangelização



O Ministério Ecos da Liberdade é um ministério evangelístico criado pelo pastor Mário Hort, que infelizmente acaba de passar para a glória. Através de diversos livretos evangelísticos (dezenas de modelos), e também vídeos, podcasts, programas de rádio e audiolivros, todos graciosamente liberados para download e utilização, o ministério tem investido poderosamente na evangelização de nossa pátria. Sua literatura tem sido semeada, dentre outros lugares, em muitos presídios brasileiros.
Conheça o trabalho do Ministério Ecos de Liberdade, baixe os livretos e outros recursos gratuitos: http://www.ecosdaliberdade.com.br 

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Novo Testamento e Missão



Um trecho de Howard Marshall

“Talvez seja mais proveitoso reconhecê-los [os escritos do NT] como sendo especificamente os documentos de uma missão. [...]. A teologia do Novo Testamento é em essência uma teologia missionária. Com isso pretendo dizer que a formação dos documentos neotestamentários é resultado de uma missão que pode ser dividida em duas fases. A primeira fase constitui-se na missão de Jesus, enviado por Deus para inaugurar entre nós o seu reino e suas bênçãos, e chamar as pessoas a aceitá-lo. Na segunda fase, temos a missão de seus seguidores, chamados para dar continuidade à obra de Jesus, proclamando-o como Senhor e Salvador, e chamando as pessoas à fé e a um compromisso com Jesus, o que por sua vez leva ao crescimento da igreja. Desse movimento missionário, brota a teologia neotestamentária, que também por ele é moldada e a qual, por sua vez, passa a moldar a contínua missão da igreja. [...].
[Os ensinos do NT] mostram como a igreja deve ser moldada por sua missão e tratam dos problemas que se constituem em obstáculos ao progresso da missão. Em suma, pessoas que foram chamadas por Deus para a missão levam adiante seu chamado com a redação dos evangelhos, das epístolas e dos demais documentos neotestamentários. Sua preocupação é conquistar novos convertidos e depois lhes proporcionar alimento espiritual; conduzi-los ao novo nascimento e levá-los à maturidade em Cristo”.

MARSHALL, I. Howard. Teologia do Novo Testamento: diversos testemunhos, um só evangelho. São Paulo: Vida Nova, 2007, pp. 31-32.

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

PALAVRA e MISSÃO: Vídeos curtos de Ronaldo Lidório ensinam sobre Missões


Na série de vídeos “Palavra e Missão”, o missionário e missiólogo Ronaldo Lidório apresenta breves respostas às principais perguntas envolvendo o conceito bíblico de missão, bem como sua prática, que ele tem recebido nos últimos dois anos. 

   

   

  

Não deixe de assinar o canal de Ronaldo Lidório no Youtube, e conferir outros vídeos e pregações. Acesse: 

domingo, 22 de setembro de 2019

“Os aposentados são a maior força missionária que teremos nas próximas décadas”

En España, apenas un 60% de las personas entre 55 y 64 años tiene 
oportunidades laborales. / Eddy Klaus, Unsplash CC

O processo de envelhecimento demográfico na Europa nos obriga a repensar o papel da chamada terceira idade no desenvolvimento da sociedade e também das igrejas. Segundo a OCDE, a idade média da população na Espanha aumentará em seis anos até 2050, de 44 para 50.

Jonathan Soriano 

Se você trabalha na Espanha, é possível que em 2050 você tenha se tornado um dos cerca de 90 aposentados para cada 100 trabalhadores ativos esperados no país. Se você fizer isso na Polônia, certamente será um dos mais de uma centena de aposentados para cada 100 trabalhadores em meados do século. Mas se o seu caso é o da Grécia ou da Itália, você pode contar com uma tendência que em três décadas resultará em mais de cem aposentadorias para cada cem profissionais que trabalham.  
São dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), coletados na publicação Trabalhando melhor com a idade e mostrando as previsões do envelhecimento demográfico em escala global e seus efeitos no local de trabalho. “O envelhecimento da população deslocou a idade média das pessoas com mais de 40 anos em muitos países da OCDE. Consequentemente, espera-se que o índice de dependência da terceira idade passe de 26% em 2018 para 43% em 2050”, pode ser lido no documento.  
O aumento da idade média no Ocidente é especialmente visível no local de trabalho. Por exemplo, em 2008, apenas 10% da força de trabalho na Espanha correspondia a pessoas entre 55 e 64 anos e praticamente nenhum trabalhador em potencial entre 65 e 69 anos foi contabilizado. A tendência mudou significativamente em 2018, com 60% da força de trabalho espanhola correspondendo a pessoas da primeira faixa etária e 10% à segunda. Uma tendência que se choca totalmente com a da aposentadoria. “Se os padrões de entrada e saída da força de trabalho por idade e gênero permanecerem imóveis, o crescimento é projetado no número médio de aposentadorias ou na população inativa nos países da OCDE de até 60 pensionistas por 100 trabalhadores ativos em 2050, em comparação com os 42 de cada cem que existiam em 2018”, é garantido na publicação. Os desafios das sociedades cada vez mais envelhecidas são apenas econômicos?   

APOSENTADORIA E IDOSO, MUITO MAIS DO QUE DINHEIRO 
Negar ou desviar a atenção da questão econômica é, no entanto, ingênuo. “O desafio mais óbvio é o pagamento de pensões de aposentadoria a uma população maior e, por um período mais longo, adicionado a uma maior despesa no orçamento da saúde”, diz o consultor dos Grupos Bíblicos de Pós-Graduação (GBG), Jaume Cheio. "Já foi dito que 'demografia é destino' e isso implica que crianças que não nasceram não podem ser fabricadas industrialmente". Uma situação que, segundo o coordenador do Movimento de Lausanne na Espanha, gera "a necessidade de atrair jovens nascidos em outros países para ajudar a pagar as despesas com pensões e manter o estado de bem-estar". "É curioso que o que é percebido como o problema seja a única solução real para uma situação sem retorno", comenta sobre a relação entre a chegada de imigrantes como garantia de um sistema de pensão que não acompanha o nascimento nativo. 
Mas nem tudo deve ser dinheiro e apoio quando você pensa em uma sociedade mais envelhecida e isso começa a descobrir que também há aspectos nos quais você pode depender da velhice. “O papel do idoso é cada vez mais ativo. Plataformas como o PAH [dos afetados pela hipoteca] e manifestações contra os cortes no estado de bem-estar social viram o novo papel dos idosos na sociedade ”, diz Llenas.  
Nesse cenário, a família ganha força, que protege os idosos que o Estado não pode alcançar e também se beneficia do tempo e da disponibilidade de seus aposentados nas áreas em que é difícil encontrar maior cobertura por parte da Administração . "Em tempos de crise econômica, o setor de aposentados prestou um grande serviço à família e, portanto, à economia em geral", diz Charo Pablos., do Fórum dos Evangélicos pela Direita. Por isso, Llenas insiste que "as famílias também estão cumprindo um papel essencial no cuidado de seus parentes idosos". "Se nossa estrutura familiar continuar se deteriorando, os membros mais velhos das famílias, que estão aumentando em número, ficarão muito prejudicados", observa Llenas, que também lembra que os cortes nos fundos alocados à Lei da Dependência caíram em um saco furado. “A reforma da Lei 23/2013 passou a reduzir o valor da pensão pela aplicação do fator sustentabilidade, que busca ajustar o valor da pensão à expectativa de vida. Planejou-se que esse sistema de cálculo entre em vigor no ano de 2019, mas foi adiado quando determinado pela Comissão do Pacto de Toledo ”, afirma Pablos.

VIDA APÓS O TRABALHO 
A publicação da OCDE sugere em alguns momentos a necessidade de melhores condições de capacitação e trabalho para fortalecer uma faixa etária cada vez maior entre 55 e 64 no mercado de trabalho. “Esforços para aumentar a participação dos idosos não serão suficientes na maioria dos países para impedir que a carga de dependência dos trabalhadores aumente. É necessária uma estratégia exaustiva para fortalecer o vínculo entre todas as faixas etárias e grupos populacionais ”, diz o documento.  
Mas nem todo mundo acredita em uma fórmula que lhes permita trabalhar com mais idade. De fato, de acordo com a mesma publicação da OCDE, na Espanha pouco mais da metade das pessoas entre 55 e 64 anos está trabalhando, têm oportunidades ou incentivos. O que deixa quase outra metade do setor da população no limbo da aposentadoria precoce, benefícios reduzidos e as aulas de dança e jogos de cartas das casas de idosos. "Dado o crescimento do número de idosos, é necessário gerar novos espaços, como centros de lazer com ofertas culturais e centros geriátricos, nos quais a qualidade de vida não é prejudicada no momento em que essa provisão é necessária", enfatiza o jurista Pablos.  
"É necessário abrir canais integrativos de convivência para que os aposentados continuem sendo uma parte ativa da sociedade", acrescenta, e também não perderem de vista os direitos básicos cujo cumprimento ainda não foi reivindicado. “Um dos mecanismos de proteção tem a ver diretamente com a aposentadoria e o que diremos sobre sua suficiência. Por outro lado, a proteção social se estende ao sistema de saúde, aqui temos que quebrar uma lança a favor do nosso sistema ”, defende. 
Até o momento, o tecido associativo ofereceu alívio à situação, oferecendo a muitos idosos a possibilidade de desenvolver atividades relevantes ao seu ambiente social sem se tornar uma extensão da vida profissional. É o caso de Alberto Crespo, que após a pré-aposentadoria começou a colaborar como voluntário em uma organização de cooperação e desenvolvimento de projetos sociais. “Trabalhei como gerente de uma grande empresa e participei de vários cursos durante toda a minha atividade profissional, que serviram para poder fornecer esse treinamento no final da minha vida profissional nesta organização dedicada a os outros ”, ele explica. 

E AS IGREJAS E SEU RELACIONAMENTO COM A TERCEIRA IDADE? 
Como Llenas aponta, essa tendência demográfica de aumento da meia idade também se reflete nas igrejas, o que as colocaria como um local ideal para reverter certas perspectivas atuais sobre a velhice. “A Bíblia trabalha pouco o confronto entre gerações, porque acredita mais na cooperação entre gerações. A igreja é um dos poucos lugares da sociedade onde existem pessoas de todas as idades com um objetivo comum e em uma atividade comum, a missão de Deus. Temos que colocar mais ênfase na igreja dispersa do que na igreja reunida. Quando todos são submetidos a essa experiência nos limites da missão de Deus, todas as faixas etárias da igreja precisam do apoio e da participação do outro, sem distâncias geracionais”, diz ele. 
No entanto, Llenas lamenta "que as igrejas ainda não tenham começado a explorar o potencial dos idosos na missão". “Devemos abandonar definitivamente a mentalidade de que os membros mais velhos da Igreja são um setor que solicita serviços e que deve ser mantido em silêncio até que o Senhor os leve com Ele. Vamos abandonar a mentalidade de prestar homenagem a eles e tê-los como um objeto antigo, que permanecem lá por nostalgia do que eram antes. No futuro, eles não poderão mais ser apenas a Sra. Rosa e o Sr. Agustín. Olhando para este grupo da perspectiva da missão, eles são a maior força missionária que teremos disponível nas próximas décadas. A igreja deve despertar o chamado da missão que o Senhor lhes deu. Eles são muito mais do que membros da Igreja, são missionários que têm tempo e recursos financeiros, a quem é preciso lembrar do chamado de Deus, treinar e enviar tanto ao vizinho ao lado quanto aos confins da terra. No futuro veremos conferências de treinamento missionário direcionadas de maneira especial a esta geração que tem muitos dons, excelentes habilidades técnicas e conhecimento bíblico acima da média da igreja”, diz o consultor do GBG.  
Parte da reflexão que Llenas exige da igreja tem a ver com a compreensão do trabalho. “Do ponto de vista bíblico do trabalho, a aposentadoria não muda nada. O trabalho na Bíblia não é apenas trabalho remunerado. O fato de eles pagarem ou não por isso não adiciona nem modifica nada. O chamado de Deus para cooperar com Ele através do trabalho não tem variação”, diz ele.  
Nesse sentido, ele insiste na necessidade de dar mais importância ao trabalho do que a um simples contrato, ao nome de uma empresa ou mesmo a uma idade estipulada na legislação. “Se o trabalho é um ato de adoração e cooperação para os propósitos de Deus, o fim da vida profissional em uma empresa é apenas uma mudança de destino, mas não é o fim de nada. Se você era um funcionário da missão de Deus, isso significa apenas que você a exercitará em outro lugar ”, avisa. Uma ideia em que não há lugar para o utilitarismo ou datas de validade em termos de serviço com sentido coletivo. 

Traduzido por Veredas Missionárias

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Quatro ilustrações acerca da obra missionária



Compartilhamos aqui quatro ilustrações de teor missionário, que compilamos e adaptamos do livro Ilustrações Selecionadas, de Alcides Conejeiro Peres (Ed. CPAD).

O SENHOR É QUEM TE GUARDA

Culto e santo foi J. W. Bashford (1849-1919), que se deleitava em servir ao seu Mestre onde quer que o dever o chamasse. Por isso, depois de haver servido a uma grande congregação como pastor e também a uma grande universidade (Ohio Wesleyan University), como presidente, deixou tudo e foi para a China em prol da expansão do evangelho. Ali fazia jornadas longas e difíceis, e, muitas vezes, perigosas.
Um incidente em sua vida indica a fonte de sua força: Chegou certa noite a uma aldeia e achou o hotel já todo ocupado. O hoteleiro, entretanto, ofereceu-lhe uma cama-de-vento e lhe deu licença para dormir debaixo das árvores. Avisaram-lhe, porém, que havia ladrões por ali.
Ficando acordado por algum tempo, pensava nestas palavras: "...aquele que guarda Israel, nem cochila nem dorme. Jeová é quem te guarda" (SI 121). Então orou: -"Bendito Senhor, não há necessidade de nós ambos ficarmos acordados", e dormiu em seguida.
No outro dia, ao acordar, viu um homem perto dele, em pé: um chinês que nem era cristão e a quem ele não conhecia, o havia guardado durante toda a noite.
"O Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra à tua direita. O sol não te molestará de dia nem a lua de noite. O Senhor te guardará de todo o mal; Ele guardará a tua alma. O Senhor guardará a tua entrada e a tua saída, desde agora e para sempre" (SI 121.5-8).


O PENTECOSTE DOS MORÁVIOS

O Conde Zinzendorf tinha 27 anos de idade quando passou por uma experiência extraordinária, fruto de sua vida consagrada à oração.
Os moravianos ou morávios são descendentes espirituais do famoso reformador John Huss, e eram conhecidos pelo nome de "Os Irmãos". Muitos, para fugir à sanha dos perseguidores, refugiavam-se na Alemanha e na Saxônia, e encontravam asilo nas propriedades do Conde. Ali se reuniam os crentes de diversas correntes evangélicas: batistas, luteranos, "os irmãos", etc.
"Os irmãos" formavam um grupo de mais ou menos 300 pessoas.
A princípio, como era de se esperar, as questões doutrinárias não os deixavam em paz: o batismo, a predestinação, a santidade, e tantas outras... Esse fato deixou seriamente preocupado o jovem Conde.
Além do aconselhamento de líder do grupo, passou a dedicar-se seriamente à oração.
Nas memórias dos moravianos se diz que no dia 16 de julho de 1727 o Conde orou com tanto fervor e lágrimas, que foi o princípio das maravilhas ali operadas por Deus. Fizeram, então, os componentes do grupo, um pacto de se reunirem muitas vezes em Hutberg, a fim de orarem. Mas no dia 13 de agosto foi que aconteceu "O Pentecoste dos Moravianos". Um dos seus historiadores assim descreve:
"Vimos a mão de Deus e as suas maravilhas, e todos estiveram sob a nuvem de nossos pais, e fomos batizados com o Espírito Santo".
A partir daí, as missões moravianas se estenderam por todo o mundo. Caribe, Groenlândia, África... O historiador, doutor Werneck, diz:
"Esta pequena igreja, em vinte anos, trouxe à existência mais missões evangélicas do que qualquer outro grupo evangélico o fez em dois séculos".
"E há de ser que, depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e nossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões. E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito. E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumo" (Jl 2.28-30).


O SOCORRO NOS VEM DO SENHOR

Faziam parte da missão evangélica americana em Shenkiu, na China, a irmã Margareth Hillis, o missionário Dick Hillis (1913 – 2005) e dois filhinhos de ano e meio e de dois meses. Eles eram membros da China Inland Mission, a mesma que fora fundada por Hudson Taylor. Transcorria inclemente a guerra contra o Japão.
Uma tarde, na ausência de Dick, um mensageiro anuncia a aproximação das tropas japonesas.
- Todos precisam fugir - anuncia. - A senhora deve também procurar refúgio imediatamente nas aldeias rurais.
Margareth agradeceu o bondoso aviso, mas decidiu ficar. Em primeiro lugar, porque seu marido estava ausente e haveria um sério desencontro; também porque não quis submeter-se com as crianças às vicissitudes dos fugitivos, mas, principalmente, porque confiava em Deus.
Na parte da tarde desse dia, a cidade ficou desguarnecida, pois o próprio exército chinês recuara. Os presbíteros da igreja partiram e suplicaram a Margareth que os acompanhasse.
- Agradeço, irmãos, o cuidado, mas vou esperar a volta do meu marido. (Estavam a 15 de janeiro e ele prometera voltar no princípio de fevereiro.)
Margareth olhou a folhinha pendurada na parede. A do dia 15 ainda estava ali.
Arrancou-a e no verso tinha uma mensagem: "Em ti, pois, confiam os que conhecem o teu nome, porque tu, Senhor, não desamparas os que te buscam" (SI 9.10). Nos dias seguintes, e, sucessivamente, foi destacando a folhinha: "Em me vindo o temor, hei de confiar em ti" (SI 56.3).
Com o passar do tempo, Margareth começou a pensar se tinha tomado uma decisão errada ficando para trás. Até o empregado que ordenhava as cabras tinha partido sem avisar, mas no dia seguinte, destacando o calendário, encontrou outra mensagem de confiança: "Eu vos sustentarei a vós outros e a vossos filhos" (Gn 50.21). Naquela mesma tarde, alguém bateu ao portão. Foi atender preocupada, pensando que eram soldados inimigos. Era um velho conhecido que trazia frangos e ovos. Era o cumprimento da promessa da Palavra de Deus impressa no calendário.
Ainda uma vez Margareth destacou a folhinha: "No dia em que eu te invocar, baterão em retirada os meus inimigos: bem sei isto, que Deus é por mim" (SI 56.9).
Desta vez Margareth teve dificuldades em crer na promessa de Deus. Ouvia-se o barulho das armas pesadas que se aproximavam, e foi-se deitar completamente vestida. Ao amanhecer do dia seguinte, aproxima-se do portão um mensageiro dando a boa notícia:
Os japoneses tinham retirado suas tropas!...
- É incrível - dizia Margareth! - como Deus tem cuidados especiais para com os seus servos. Ele mesmo determinou a impressão de tão grandes mensagens naquele calendário que foi feito com um ano de antecedência.
"Quando eu a ti clamar, então retrocederão os meus inimigos; isto sei eu, porque
Deus está comigo. Em Deus louvarei a sua palavra; no Senhor louvarei a sua palavra. Em Deus tenho posto a minha confiança; não temerei o que me possa fazer o homem" (SI 56.9- 11).


SALOMÃO GINSBURG

O diácono Candinho foi membro de uma igreja evangélica em Jacarepaguá durante muitos anos. Convertido em 1927, conheceu pessoalmente e conviveu com o grande missionário judeu Salomão Luiz Ginsburg (1867 – 1927), que, dentre outros feitos, foi o criador do hinário Cantor Cristão. De Ginsburg, Candinho contava muitas experiências, inclusive esta:
Uma ocasião, no Estado do Rio, o missionário tinha de chegar a determinado lugar de difícil acesso onde estava sendo aguardado. Conseguiu quem o conduzisse, e aproveitou a oportunidade de falar sobre o Evangelho ao guia. Este respondeu:
- Não, missionário. Eu não posso aceitar a sua religião, porque ficarei proibido de beber, fumar, de fazer tantas coisas que gosto de fazer. Os crentes são escravos. Não têm liberdade.
O missionário pediu ao guia um maço de cigarros, e ao invés de acender um cigarro, guardou o maço no bolso e prosseguiu viagem sob a admiração do guia, que não ousava dizer nada. As horas foram passando e o missionário continuava de posse dos cigarros.
Lá pelas tantas, o companheiro sentindo um desejo irresistível de fumar, não se conteve:
- Como é, o senhor não vai me devolver os cigarros?
- Não - respondeu o missionário.
O inveterado fumante perdeu a calma e ameaçou tomar do missionário os cigarros, à força, ao que este respondeu:
- Espere, vou devolver-lhe os cigarros; eu só fiz isto para provar-lhe que eu não sou escravo, mas você é escravo. Você está querendo brigar comigo porque não pode passar sem fumar uma hora. Isto é ser escravo.
"Não reine portanto o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências." "Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?" (Rm 6.12,16).

... ... ... ... ... ... ... ... ... 

Estou, naquele ritmo de "devagar e sempre", trabalhando em um novo livro, desta vez reunindo apenas ilustrações, coligidas das mais diversas fontes. O livro, como sempre, será gratuito. Convido os irmãos a orarem por minha vida e por este projeto, para que ele seja concluído da melhor maneira e seja bênção na vida de muitos irmãos. Convido ainda vocês a enviarem ilustrações de teor missionário ou relacionadas à mordomia cristã, tanto lidas quanto ouvidas e principalmente: vividas. Colabore com mais esta obra de edificação!

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Meu Lugar em Missões - Myrtes Mathias



Talvez eu não tenha a sorte das estrelas
que belas cintilam, dando inspiração.
Talvez meu campo seja o mais mesquinho;
que me importa, se me tornar caminho
por onde passe a Tua compaixão?

Escreveu D. Malloch: "Para todos há na terra alguma coisa. Há muito trabalho a fazer / e poucos trabalhadores. / E a tarefa a escolher é sempre a mais próxima..." Este deve ser o espírito daquele que se aproxima de Deus e da consciência, para perguntar: Qual será "meu lugar em Missões"? A tarefa mais próxima pode ser ir, pode ser preparar-se, pode ser contribuir, pode ser orar... Cada um deve chegar a uma conclusão por si mesmo. Não adianta que alguém diga, que muitos escrevam, que professores ensinem. Tudo isso pode ajudar. Mas aquele que se encontra no vale da decisão, ou na encruzilhada da escolha, deve tomar a primeira e fazer a segunda, apenas com a orientação de Deus. Encontrar o lugar certo na vontade de Deus é encontrar a Felicidade, a paz verdadeira. Não o Nirvana. Uma felicidade atuante.
A ordem de Jesus é uma mensagem de urgência: "Não dizeis vós: Ainda há quatro meses até que venha a ceifa? Ora, eu vos digo: Levantai os vossos olhos e vede os campos, que já estão brancos para a ceifa" (João 4:35). A colheita tem data fixa. Na sua época os agricultores convocam trabalhadores extras, fazem mutirão, para que o produto não se perca.
É uma obra de urgência porque não sabemos de quanto tempo dispomos para o trabalho. A juventude é tão efêmera quanto a Flor do Pequeno Príncipe. "...é como a erva, e toda a sua glória como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a sua flor" (I Pedro 1:24). David Brainerd morreu aos 30 anos, entre os índios americanos; Dr. Wallace ergueu com uma breve vida e gloriosa morte seu monumento em terras comunistas; Noemi Campêlo recebeu de Deus apenas dois anos para serem gastos entre os craôs, e Corinto Moreira menos que isso para evangelizar o Acre. Por que foi assim com esses e com tantos outros, só Deus sabe.
Cada dia que passa representam 24 horas de sofrimento para milhões. Quem viaja pelo sertão de Goiás, e de outros Estados, contempla nos ranchos à beira das estradas, homens e mulheres precocemente envelhecidos: pele amarela, magros, bócios enormes, deformantes. Crianças seminuas pedem sempre alguma coisa: carona, favor para levar um recado...
Cada dia que passa, a miséria será maior. A doença prosseguirá a marcha. Os vícios virão.
Cada dia que passa, a ausência de Cristo será cada vez mais um anseio, um grito inconsciente. Falta-lhes alguma coisa – falta-lhes o principal.
Será preciso gastar anos e anos preparando-se para responder a essas necessidades tão simples e ao mesmo tempo vitais? para levar lenitivo aos que sofrem? para dar alguma coisa a quem nada tem?
Enquanto você pensa tanto, que estará acontecendo nos lugares que você só conhece de nome, se é que conhece? Quantos estarão morrendo por não haver no local alguém que saiba aplicar uma injeção? Enquanto você pensa, quantas crianças se tornam adultas sem conhecer uma letra, incapazes de ler um folheto, caso até eles chegue o folheto?
Não obstante, Missões exige preparo. Segundo Lucas, as Últimas palavras de Jesus a seus discípulos foram: "...ficai, porém, na cidade, até que do alto selais revestidos de poder." Sair da cidade somente quando preparados para a Obra.
Antes de partir para Labarene e tornar-se o apóstolo dos tempos modernos, Albert Schweitzer, músico de renome, formou-se em medicina. Mas, assim que se formou, foi, real e imediatamente, para a África.
Gandhi fez-se advogado para defender a causa do seu povo. Florence Nightingale aprendeu tudo quanto possível em sua época para melhor servir. Assim muitos outros, contemporâneos conhecidos de todos nós. Lá no Xingu, uma jovem médica aprende a língua ainda não escrita de nossos índios, no ideal de um dia, talvez distante, entregar-lhes a palavra de Delis. Para isso, deixou o consultório em Londres e estudou Linguística, antes de vir para o Brasil. Margarida Gonçalves foi à outra América, estudou, voltou para dirigir o "Ginásio do Sertão". Prepararam-se, exaustivamente até. Mas o belo, o sublime, é não terem pensado que seria um "desperdício" de cultura, no campo que Deus lhes entregara. "Dá-me sabedoria e conhecimento, para que eu saiba dirigir-me... para julgar este grande povo..." pediu Salomão.
Quem poderá realizar as grandes intervenções cirúrgicas, salvando vidas ou evitando a invalidez, que muitas vezes se fazem necessárias nos sertões, nas terras estrangeiras? Quanta criança inutilizada para o resto da vida, vítima da ignorância de uma "curiosa", cuja boa intenção não evita o desastre?
Como responder a esta mocidade exigente e ambiciosa, sedenta de conhecimento, senão com mestres bem preparados?
Estamos certos de que Deus tem lugar certo para cada um. Ele vocaciona alguns que vão "aos lugares baldios da terra, para transformá-los em jardins de Deus". Pessoas capazes de gastarem-se durante toda uma vida, cultivando um terreno aparentemente estéril, até que aconteça o milagre. Vocaciona outros para o trabalho que traz resultados imediatos, grandiosos. Há até essa nova galeria dos "Missionários Anônimos", que ajudam indiretamente aos que se dispõem a descer à mina. "Em grandeza não é que se ganha ou se perde. Se você não puder ser a estrada real, seja um atalho."
Esta é a hora de encontrar o lugar certo. Hora decisiva. Difícil. Somos apenas uma pessoa, com uma única vida para ser gasta, com um número limitado de anos para ser investido. A longo ou curto prazo, não sabemos, mas com um grande medo de perder a oportunidade, com um grande desejo de estar ao mesmo tempo em toda parte... Esta é a hora de ficar a sós com Deus, para ouvi-lo dizer:
"Antes que eu te formasse no ventre materno... te constituí profeta às nações."

Do livro Deus Precisa de Você (JUERP).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...